Prefeitura Banner Prestação de Contas
Dia Internacional da Luta Contra o Câncer na Infância é celebrado no próximo dia 15
Saúde

Dia Internacional da Luta Contra o Câncer na Infância é celebrado no próximo dia 15

Dia Internacional da Luta Contra o Câncer na Infância é celebrado no próximo dia 15

Referência no tratamento de câncer infantil, Centro Infantil Boldrini destaca a importância do diagnóstico precoce, da completa infraestrutura hospitalar para o tratamento, terapias de suporte, cuidados paliativos, reabilitação e do incentivo à pesquisa na área

Instituído em 2002 pela ICCCPO (International Confederation of Childhood Cancer Parent Organizations ou Confederação Internacional de Pais de Crianças com Câncer), o Dia Internacional da Luta contra o Câncer na Infância é comemorado dia 15 de fevereiro. A ideia é promover a conscientização global sobre a importância do diagnóstico precoce do câncer infanto-juvenil, para maiores chances de cura e menos sequelas após o tratamento.

Referência no tratamento de câncer infanto-juvenil em toda a América Latina, o Centro Infantil Boldrini dedica-se, há quatro décadas, à prestação de serviços de saúde voltados à criança e ao adolescente e suporte às famílias dos pacientes. O Boldrini oferece modernas tecnologias na área do diagnóstico do câncer, e tratamento de doenças onco-hematológicas, desenvolvendo pesquisas científicas nas áreas clínicas e laboratoriais, além da formação profissional de médicos, de outros profissionais da saúde e de pesquisadores nas áreas da Biologia e Biomedicina. Atualmente, cerca de 70 a 80% dos pacientes oncológicos da instituição são curados – índices que equivalem aos dos países desenvolvidos. Recente publicação (30 de janeiro de 2018) do Grupo de Trabalho CONCORD 3 – www.thelancet.com, mostra modestas melhorias no Brasil no período de 2000-2014, dos resultados de sobrevida em 5 anos do câncer pediátrico (inferior a 50%), comparativamente às significativas taxas de cura da ordem de 80-90% nos países desenvolvidos.

Ao longo dos 40 anos de atuação, o Boldrini já atendeu cerca de 30 mil pacientes. Destes, 8 mil deles diagnosticados com tumores malignos – dos quais mais de 6 mil estão vivos e fora de terapia. Para a Dra. Silvia Brandalise, presidente do Centro Infantil Boldrini, a maior conquista até hoje foi a criação do Grupo Brasileiro de Tratamento da Leucemia na Infância (GBTLI). “Este grupo, inicialmente vinculado à Sociedade Brasileira de Hematologia e Hemoterapia (SBHH), posteriormente ligado à Sociedade Brasileira de Oncologia Pediátrica (SOBOPE), simplesmente mudou no país, não somente os critérios diagnósticos, mas sobretudo a filosofia do tratamento dos pacientes portadores da leucemia linfoide aguda (LLA), alcançando taxas progressivamente ascendentes de cura”.

O GBTLI foi fundado pelo Boldrini em 1979 e, desde então, coordenou seus estudos clínicos prospectivos em leucemia (LLA-80, LLA-82, LLA-85, LLA-93, LLA-99 e LLA-2009), desenvolvidos em diversas instituições do país.

Para se ter uma ideia, em 1978, as chances de cura da LLA estavam em torno de 5%. Com o estudo clínico LLA-80, as chances de cura resultaram em 30%, acrescendo progressivamente, nos estudos subsequentes, para 70-80%. É notável que a atuação e liderança do Boldrini estimulou e propiciou, em nível nacional, a capacitação e treinamento de profissionais de diferentes estados, nas novas tecnologias de diagnóstico e de tratamento da leucemia da criança.

Atualmente, o Boldrini é o único representante do Brasil em Estudo Epidemiológico sobre o Câncer da Criança, a convite do ICCCC (International Chilhood Cancer Cohort Consortium)/WHO, para, ao lado de diversos outros países, buscar fatores relacionados ao desenvolvimento do câncer na criança.

Outro grande destaque dá-se para o Boldrini em parceria com a Universidade Federal de Santa Catarina. “Os nossos pesquisadores, em parceria com a UFSC descobriram uma nova droga conta o câncer pediátrico há cerca de oito anos. É um novo quimioterápico que está em tempo de espera para conseguir a patente internacional, para subsequente registro no Brasil”, ressalta o pesquisador do Centro Infantil Boldrini, José Andrés Yunes.

O maior desafio no Brasil, explica a Dra. Silvia, é alcançar taxas de sobrevida da LLA da criança, iguais àquelas obtidas pelos pacientes registrados no GBTLI. “Cerca de 3-5% das crianças com LLA participam destes estudos clínicos, obtendo chances de sobrevida livre da doença (SLD) em 5 anos, da ordem de 70-80%. As demais crianças brasileiras com o diagnóstico de LLA, que seguem diferentes esquemas terapêuticos, alcançam a taxa de SLD em 5 anos, da ordem de 47%, conforme dados publicados pela OPAS, OMS e INCA”. Para comparação, nos Estados Unidos e Alemanha, a participação das crianças com LLA em estudos clínicos é quase de 100%. Nestes países, as taxas da SLD em 5 anos são da ordem de 80-90%.

Apesar dos avanços em relação à cura do câncer infantil, isto ainda não é o bastante. Pensando em ampliar a área de pesquisa do Boldrini, neste ano será inaugurado o Instituto de Engenharia Celular e Molecular Zeferino Vaz. Para a Dra. Silvia, esta será uma importante consolidação da parceria técnico-científica entre o Centro Infantil Boldrini, não somente com a Unicamp, como também com outros Centros de Pesquisa nacionais e internacionais. Será o maior centro de pesquisas em câncer pediátrico no Brasil e na América Latina. “O Instituto deverá contar com cerca de 40 pesquisadores, na busca de novos quimioterápicos e nas terapias gênicas no combate ao câncer. A gente precisa se incomodar com o fato de que 30% dos pacientes com câncer ainda morrem. Os investimentos em pesquisa são essenciais para que, logo, possamos alcançar a cura plena”, enfatiza a médica.

Outro ponto que vale ressaltar neste dia de combate ao câncer infantil é que hoje, vivenciamos no Brasil, o problema recentemente divulgado pela Organização Mundial de Saúde (2017), sobre as “Fake Drugs” distribuídas nos países pobres e em desenvolvimento. Dentre as três primeiras categorias destas drogas problemáticas, estão os medicamentos contra o câncer. A LeugiNase produzida em Beijing, usada no tratamento da LLA, foi um recente exemplo. O novo produto Leucospar, produzido em Chengzhou-Qianhong, China, também surpreende por não ter estudos clínicos que comprovem a eficácia e segurança deste medicamento na LLA de crianças. Além disso, outro problema grave que estamos vivenciando há quase um ano, é o chamado “desabastecimento” de alguns quimioterápicos utilizados em oncologia pediátrica, como por exemplo a Actinomicina D. “Todo processo de importação é oneroso, extremamente burocrático e demorado. Não podemos retroceder a duas décadas, no tratamento do câncer da criança”, finaliza.

Dados gerais sobre o câncer infantil

– O número de casos de câncer infantil aumentou em 13% nos anos 2000, em relação aos anos 1980, de acordo com os dados do estudo elaborado pela Organização Mundial de Saúde (OMS);

– A leucemia é o tipo de câncer mais frequente nas crianças e corresponde a quase um terço dos casos, de acordo com o estudo que analisou 300 mil casos diagnosticados em 62 países. Em seguida, aparecem os tumores no sistema nervoso central (20%) e os linfomas;

– Entre os adolescentes, os principais tipos da doença que se manifestam são o linfoma, (23% dos casos), seguido de carcinomas e dos melanomas (cânceres de pele, 21%);

Um dos motivos apontados pelo estudo que motivaram o aumento do número de caso de câncer entre crianças foi a melhoria no diagnóstico da doença;

– Outras razões seriam influências externas e ambientais. Infecções ou certas substâncias contaminantes presentes em certos ambientes;

– Segundo o INCA (Instituto Nacional de Câncer), assim como em países desenvolvidos, no Brasil, o câncer já representa a primeira causa de morte (8% do total) por doença entre crianças e adolescentes de 1 a 19 anos;

– De acordo com o INCA, estima-se que ocorrerão cerca de 12.600 casos novos de câncer em crianças e adolescentes no Brasil por ano;

Dados sobre o Centro Infantil Boldrini

– 40 anos de atuação (fundado em 1978)

– Número de casos novos por ano: média de 750

– Estatísticas de 2017:

Número de novos casos: 608

Número de consultas: 239.572

Cirurgias realizadas: 549

Internações hospitalares: 3.038

Internações na UTI: 351

Sessões de quimioterapia: 15.965

Sessões de radioterapia: 26.032

Atendimentos SUS: 69%

Atendimento convênio: 31%

– Pacientes com câncer tratados (período 1978- 2016): 8 mil

– Pacientes vivos e em seguimento: 6 mil

– Índice de cura: 70%

Índice Boldrini equiparado aos países desenvolvidos. No Brasil, fora dos grandes centros especializados, o índice médio de cura é de 48%

– Pacientes portadores de anemia falciforme cadastrados: 1.242

– Pacientes de anemia falciforme que continuam em acompanhamento: 816

– Talassemia– Total de 246 pacientes cadastrados no hospital, sendo que 100 pacientes continuam com cadastro ativo e em acompanhamento

– Hemofilia – Total de 485 pacientes cadastrados no hospital, portadores da doença, sendo que 211 pacientes continuam com cadastro ativo e em acompanhamento

– Áreas de atuação médica: 21

Hematologia

Oftalmologia

Medicina Nuclear

Fisiatria

Ortopedia

Anatomia Patológica

Radiologia

Clínica Geral

Oncologia

Cardiologia

Nefrologia

Cirurgia pediátrica

Neurocirurgia

Anestesia

Psiquiatria

Endocrinologia

Radioterapia

Urologia

UTI

Neurologia

Otorrinolaringologia

– Estrutura F;isica: 100 mil m2

Ambulatórios de Oncologia e de hematologia

Laboratórios de Patologia Clínica, de Genética, de Biologia Molecular

Serviço de Anatomia Patológica

Centro Cirúrgico

Centro de Radioterapia, Medicina Nuclear e Imagem

Instituto de Pediatria Ronald McDonald

Unidade de Internação

Unidade de Terapia Intensiva

Centro de Reabilitação Lucy Montoro

Estação Boldrini

Casa da Criança e da Família (instituto Ingo Hoffmann)

– Equipe Multiprofissional: 11 áreas de atuação

Fisioterapia

Terapia Ocupacional

Odontologia

Apoio Pedagógico

Psicologia

Fonoaudiologia

Condicionamento Físico

Enfermagem

Nutrição

Serviço Social

Farmácia

– Serviço de apoio à família Casa da Criança e da Família: 30 chalés, criados em parceria com o Instituto Ingo Hoffmann, para assistência às famílias.

– Receita do hospital: 30% convênios, 20% SUS, 50% filantropia

– Residência Médica: 79 Médicos Residentes da UNICAMP já se formaram nos Programas de Cancerologia Pediátrica e Hematologia do Centro Boldrini. Anualmente, o hospital recebe cerca de 80 Médicos Residentes de diversas Universidades do País.

– Aprimoramento Profissional: 53 profissionais em aprimoramento desde 2007, nas áreas de Serviço Social, Nutrição, Psicologia, Fisioterapia, Biologia Molecular e Enfermagem.

– 25 alunos de iniciação científica, entre 1998 e 2017

– 28 alunos de mestrado, entre 2001 e 2017

– 83 alunos de doutorado, entre 2006 e 2017

– 12 alunos de pós-doutorado, entre 2009 e 2017

– 5 alunos para treinamento técnicos, entre 2013 e 2017

– Estágio de Férias para os Alunos de Graduação – 47 Alunos para Programa de Educação em Oncologia Pediátrica (PEOP)

Sobre o Centro Infantil Boldrini

Centro Infantil Boldrini − maior hospital especializado na América Latina, localizado em Campinas, que há 40 anos atua no cuidado a crianças e adolescentes com câncer e doenças do sangue. Atualmente, o Boldrini trata cerca de 10 mil pacientes de diversas cidades brasileiras e alguns de países da América Latina, a maioria (70%) pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Um dos centros mais avançados do país, o Boldrini reúne alta tecnologia em diagnóstico e tratamento clínico especializado, comparáveis ao Primeiro Mundo, disponibilidade de leitos e atendimento humanitário às crianças portadoras dessas doenças. www.boldrini.org.br

Campanha Vestibular 2019

Mais notícias da Categoria Saúde

Doenças transmitidas pelo Aedes Aegypti estão controladas em Araxá

Doenças transmitidas pelo Aedes Aegypti estão controladas em Araxá

Portal Araxá 07/11/2018
Autista conquista direito a atendimento prioritário em Araxá

Autista conquista direito a atendimento prioritário em Araxá

Portal Araxá 07/11/2018
Araxá promove Novembro Azul

Araxá promove Novembro Azul

Portal Araxá 07/11/2018
Reforço na prevenção de câncer

Reforço na prevenção de câncer

Portal Araxá 30/10/2018
LIRAa aponta queda no índice de proliferação do Aedes em Araxá

LIRAa aponta queda no índice de proliferação do Aedes em Araxá

Portal Araxá 29/10/2018
Profissionais do Cerest participam de capacitação sobre saúde do trabalhador

Profissionais do Cerest participam de capacitação sobre saúde do trabalhador

Portal Araxá 19/10/2018