Empresário é preso por crime contra a ordem tributária no Triângulo Mineiro
Polícia

Empresário é preso por crime contra a ordem tributária no Triângulo Mineiro

Empresário é preso por crime contra a ordem tributária no Triângulo Mineiro

Denunciado vendia notas fiscais “frias” a terceiros para a sonegação de impostos

Um empresário do município de Santa Vitória, no Triângulo Mineiro, que atua no comércio de animais vivos, foi preso, preventivamente, nesta quinta-feira (26/9), por crimes contra a ordem tributária. As fraudes apuradas consistem na emissão de notas fiscais eletrônicas sem registro nos livros contábeis – com o propósito de evitar a tributação – e venda de notas fiscais “frias” para acobertar operações de terceiros.

As autuações aplicadas pela Receita Estadual, referentes às irregularidades praticadas, somente entre 2014 e 2017, somam R$ 7,894 milhões, entre o imposto devido e multas.

Na quarta-feira (25/9), a Receita Estadual fez buscas administrativas em endereços vinculados à empresa investigada, onde o empresário não se encontrava. Ele, então, foi intimado a comparecer à Superintendência Regional da Fazenda de Uberlândia para acompanhar a análise do material retido. No local, o empresário teve a prisão concretizada.

De posse das informações apreendidas, serão identificadas as empresas que se beneficiaram do esquema – que também são sonegadoras – e o volume total da fraude, atualizado.

A operação que culminou na detenção do empresário, denominada “Boi de Papel”, teve a participação da Receita Estadual, do Ministério Público (MP) – por intermédio da Coordenadoria Regional da Defesa da Ordem Econômica e Tributária do Triângulo e Noroeste – e da Polícia Militar (PM).

Na denúncia elaborada pelo MP, constam indícios de, pelo menos, 19 crimes contra a ordem tributária, além de associação criminosa e lavagem de dinheiro.

Investigações

As investigações do esquema tiveram início em 2017, após fiscalização da Receita Estadual. A partir da análise dos documentos apreendidos à época, foi apurado que a empresa emitiu notas fiscais “frias” para acobertar operações de venda de carne e subprodutos por terceiros. Para operar o esquema, o empresário cobrava um percentual de 0,5% a 2% sobre o valor da nota emitida.

No período de janeiro de 2014 a agosto de 2017, foram emitidas notas fiscais no valor de R$ 122,5 milhões, sem o recolhimento de tributos aos cofres estaduais. A conclusão é que se trata de uma empresa de fachada, cuja principal atividade é fornecer (vender) os documentos fiscais ideologicamente falsos, com objetivo de blindar os verdadeiros devedores dos tributos.

A operação “Boi de Papel” é mais uma atividade no âmbito do Comitê Interinstitucional de Recuperação de Ativos (Cira).

Mais notícias da Categoria Polícia

Polícia Militar realiza “OPERAÇÃO REGIÃO SEGURA” em comemoração aos 34 anos da 5ª Região da Polícia Militar

Polícia Militar realiza “OPERAÇÃO REGIÃO SEGURA” em comemoração aos 34 anos da 5ª Região da Polícia Militar

Portal Araxá 25/05/2020
Polícia Militar realiza entrega de respiradores em Hospitais de Araxá/MG

Polícia Militar realiza entrega de respiradores em Hospitais de Araxá/MG

Portal Araxá 22/05/2020
Romeu Zema participa de reunião virtual com presidente Jair Bolsonaro sobre ajuda aos estados

Romeu Zema participa de reunião virtual com presidente Jair Bolsonaro sobre ajuda aos estados

Portal Araxá 22/05/2020
Polícia Militar prende autores por tráfico de drogas em Araxá

Polícia Militar prende autores por tráfico de drogas em Araxá

Portal Araxá 18/05/2020
Polícia Militar apreende mais de 175 pedras de crack e prende/apreende autores em Araxá

Polícia Militar apreende mais de 175 pedras de crack e prende/apreende autores em Araxá

Portal Araxá 15/05/2020
Polícia Militar alerta população para golpes pela Internet

Polícia Militar alerta população para golpes pela Internet

Portal Araxá 07/05/2020