Guiatel
Todos contra o abuso sexual infantojuvenil
Cidade

Todos contra o abuso sexual infantojuvenil

Todos contra o abuso sexual infantojuvenil

Projeto busca a prevenção e enfrentamento da violência sexual contra crianças e adolescentes

Desde o final do ano de 2017, as notificações e confirmações de casos de abuso e violência sexual contra crianças e adolescentes na cidade de Araxá, tem aumentado consideravelmente. Foi pensando nisso que as autoridades do município decidiram que era o momento de reforçar essa reflexão com a comunidade local.

“O combate à violência e o abuso sempre foi uma preocupação premente do conselho. O aumento de casos de abuso e violência sexual no município alarmou muito a sociedade. O Conselho prontamente, depois de um chamado do Ministério Público resolveu organizar esse edital que trata das campanhas de enfrentamento à violência e abuso sexual na cidade”, relata a presidente do Conselho Municipal de Defesa da Criança e do Adolescente, CMDCA, Cristiane Gonçalves.

Dessa forma, a Fundação da Mulher Araxaense – FAMA, o Centro de Formação Profissional Júlio Dário e a Casa de Nazaré uniram-se em prol do projeto a fim de conscientizar vítimas, familiares e toda a comunidade de como a violência sexual infantojuvenil é capaz de arruinar vidas, sabendo reconhecer e denunciar esse abuso.

A psicóloga Ana Laura Borges explica como a violência sexual contra crianças e adolescentes pode gerar grandes problemas de curto e longo prazo. “Eles vão ter consequências muito difíceis. Os sinais emocionais envolvem o desenvolvimento de dificuldades tanto do próprio indivíduo consigo mesmo, quanto em relação a socialização e para estabelecer vínculos de confiança e, também, o modo como ele enxerga o mundo ao qual pertence. Podendo desenvolver depressão, transtornos psíquicos e transtornos de personalidade, porque entende-se que é na infância que experimentamos o mundo e quando é causado um trauma, o indivíduo acaba se perdendo”, esclarece a psicóloga Ana Laura.

O projeto, além de causar a prevenção e enfrentemento do abuso, visa também, oferecer apoio às vítimas dessa violência. “Outra preocupação, é aumentar as oportunidades das pessoas que passam por esse tipo de abuso e violência. Ter um canal aberto para que elas possam se expressar e denunciar, para que saiam desse sofrimento e violação de direitos”, conta Cristiane, presidente do CMDCA.

Outro propósito do projeto é desmistificar alguns preconceitos populares, para que não exista tanto receio ao denunciar a violência sexual infantojuvenil. Um importante agente após a realização da denúncia é o Ministério Público. A promotora de justiça Dra. Mara Lucia Dourado explica que o Ministério Público tem dois papeis importantes: promover a ação penal que vai buscar a condenação do autor dessa violência e a aplicação de medidas de proteção em favor dessa criança ou do adolescente.

“São medidas que visam preservar a saúde física e emocional e que visam o fortalecimento dessa família, porque quando a ação acontece dentro da família ela provoca uma desestruturação da mesma. Agora, a lei exige a escuta especializada, sendo o momento em que a vítima vai ser acolhida no serviço de saúde, podendo entregar para a polícia e investigadores as provas dessa violência que ela sofreu e, ao mesmo tempo, ela vai receber os cuidados para com a sua saúde”, expõe a promotora Mara Lucia.

Além disso, se a vítima estiver em uma situação de risco, o Conselho Tutelar é acionado para, então, realizar a proteção da criança ou do adolescente. “O acolhimento emergencial é quando eu, conselheira, chego na casa, a criança é vítima de qualquer violência e eu não encontro ninguém para ficar com essa criança, então, eu tenho que fazer esse acolhimento emergencial. As vezes a família é toda conivente com a situação, então, eu não posso deixar essa criança até o outro dia”, exemplifica a conselheira tutelar Doriane Alves Ribeiro.

Assim, com o desenvolvimento de tantas ações o projeto espera que a comunidade não negligencie os direitos das crianças e adolescentes, já que permanecer calado também é uma forma de descaso. “O caminho correto é procurar as autoridades, seja a autoridade policial, Conselho Tutelar ou Ministério Público. Principalmente profissionais da área da educação e da saúde pública, não podem ficar calados diante de um fato tão grave. A mãe e o pai não podem ser complacentes, por qualquer fundamento, com a violência. Eles podem ser julgados por abandono, podem ser considerados coautores do crime de abuso sexual e de estupro de vulnerável e, ainda, podem ser punidos da mesma forma que o autor direto”, afirma o juiz de direito Dr. Renato Zupo.

Campanha Vestibular 2019
Cidade

Mais notícias da Categoria Cidade

Buracos tomam conta das vias públicas de Araxá

Buracos tomam conta das vias públicas de Araxá

Portal Araxá 18/10/2018
Governo de Minas Gerais deve mais de R$ 29 milhões para Araxá

Governo de Minas Gerais deve mais de R$ 29 milhões para Araxá

Portal Araxá 18/10/2018
Após anos de espera, 103 famílias recebem escrituras de suas casas

Após anos de espera, 103 famílias recebem escrituras de suas casas

Portal Araxá 16/10/2018
Começa hoje o pagamento de abono para nascidos em outubro

Começa hoje o pagamento de abono para nascidos em outubro

Portal Araxá 16/10/2018
Praça da Igreja de Nossa Senhora da Conceição Aparecida será reformada

Praça da Igreja de Nossa Senhora da Conceição Aparecida será reformada

Portal Araxá 16/10/2018
Prefeitura inicia operação tapa buracos

Prefeitura inicia operação tapa buracos

Portal Araxá 15/10/2018